Monday, March 31, 2014

31 de Março

Dicas de Março 

Final do mês, hora de falar das minhas coisinhas favoritas esse mês., eu estou criando novas categorias cada vez que eu faço esse post, então... É isso.

Música. 
Better Than I know Myself. Adam Lambert 

Eu não sei como eu cheguei até essa música, foi uma perdição minha dentro do Youtube e eu a encontrei e fui eternamente feliz por isso. È uma música do Adam Lambert, e  eu já ouv 116 vezes de acordo com meu iTunes.















Livro
O Circo da Noite. - Erin Morgenstern 

Esse livro é cheio de mistério e uma leitura fantásica, eu pessoalmente achei genial,  ele édiferente tudo que eu já li e ainda sim... Extremamente familiar. O melhor preço desse livro está nas Lojas Americanas




Audiobook
Matilda de Ronald Dahl 
Audiobooks são meus eternos amores, e eu tenho uma dificuldade absurda para encontra-los entao quando eu acho um bom para baixar ou ouvir fico todoa empolgada, mas esse aqui só vale para quem está com o inglês afiadinho, por que está só em inglês. E sim, e o audibook daquele filme que todo mundo gosta que tem o mesmo nome.
Está em duas partes. Aqui está a parte UM, e aqui a parte Dois 



Video

When Genevieve Ruled the World por Kate Towell 

Now, about this cartoon: She's already got a pony. She wants the world.
Outra dica para quem ta bem no inglês, a artista Kate Towell fa uns videos muito legais com esse traço caracteristico e os temas são estremamente bizzarros, o que para mim é lindo e perfeito! 

















Filme 
Coraline dirigido por  Henry Selick
Uma adaptação do livro com o mesmo nomes, escrito por Neil Gaimam, entçao.. já se sabe que é o livro é bom, por que Neil Gaimam é tipo Midas da literatura, qualquer coisa que ele toca fica perfeito, e essa é uma das poucas adaptações que o filme é tão bom ou até melhor...  Dica dupla, leia o livro e veja o filme. 



29 e 30 de Março

Os Sete

Luxúria

As marcas no pescoço pálido do jovem aprendiz de cabelos negros como ébano eram  curiosamente despercebíeis a qualquer outro frade ou monja que morasse no convento da montanha Negra, popularmente conhecido  como o Convento Negro, mas uma pessoa reparou...
Os homens e mulheres castos que dedicavam a vida a oração,e aos estudas das escrituras sagradas, tanto da Luz quanto da Escuridão, receberam o novato em uma noite de chuva, as portas foram marteladas por punhos frágeis quando um homem de aspecto febril tremia a porta, apoiado em seus joelhos  molhado até o mais interno dos ossos, ele suplicou abrigo, um lugar onde pudesse abrigar-se e tentar lembrar de quem era... O jovem de cabelos e olhos escuros dizia que não se lembrava de nada, nem se quer seu nome.
Fosse por piedade, fosse por religião, a Madre Superiora aceitou o rapaz, dando-lhe a posição de carpinteiro assistente.
Ficou conhecido como Lucien, pelas Monjas e pelos Frades, pois viera junto com a luz da manhã. Era um rapaz calado, prestativo, gostava de passar tempo ajudando com tudo que podia, especialmente com os serviços manuais, mas no silencio de suas tarefas ansiava por conhecimento, estava sempre conversando com os Frades ou as Monjas, e absorvendo tudo que podia de suas conversas, seja o estilo de vida deles, sejam as tradições do vilarejo sobre o qual estava a montanha Negra.
Lucien cumpria seus horários e era um bom rapaz. Assim que todos no convento o chamavam, um bom rapaz... Mas aos poucos coisas começaram a ser ouvidas, sussurros sobre comportamentos curiosos surgiram no pequeno vilarejo... Coisa que so se ouvia antes em lendas ou em orações.
A lua estava alta no céu, o frio consumia a montanha Negra, e o convento estava tão gelado quanto possível, em uma hora tão tardia era de se esperar que todos os frades e todas as monjas estivessem dormindo, mas passos poderiam ser ouvidos na biblioteca privada do Convento Negro.
– Lucien? – Chamou o Padre superior Guilherme, abaixo da Madre superiora, ele era o frade mais antigo no convento, com mais de cinquenta anos de trabalho para os Conventos.
Saindo de trás de uma prateleira com uma pequena vela nas mãos, e um enorme livro no colo, os olhos sombrios de Lucien brilharam a luz laranja.  
– Boa Noite Frade Guilherme – Lucien fechou o livro.
– Você deveria estar dormindo meu jovem. – Disse o homem feito de rugas e pequenos sorrisos.
– Eu... Sei. é que eu perdi o sono, estava...
– Curioso de mais para... Para de ler quando o sino da noite tocou?
Era uma pergunta, mas Guilherme sabia exatamente que esse era um dos motivos que levara Lucien a buscar a leitura da biblioteca privada, utilizada apenas pelos frades e monjas de mais alta hierarquia e apenas com autorização expressa da Madre Superiora.  Guilherme via muito mais do que os jovens que viviam naquele mesmo Convento.
– Largue esse livro meu jovem, venha dar uma volta comigo, pegue um casaco, vai sentir um frio desumano quando andarmos pelos jardins de gelo.
– Sim senhor. – Lucien disse fechando o casaco cor de pele e caminhando ao lado do frade idoso. – Padre, perdoa-me por quebrar a regra do  noite.
– Ora meu filho, não é a primeira nem será a ultima vez que você vai ficar lendo as escrituras sagradas pela noite.  – Guilherme disse com um sorriso paterno. – Melhor que eu o guie em algumas coisas pouco explicadas nos livros sagrados.
– Como sabia que eu estava...
– Buscando respostas para saber mais sobre você mesmo?
Lucien abriu os olhos em espantando e automaticamente cobriu as duas pequenas marcas no pescoço.
– C-Como o senhor soube.
– Meu jovem... Estou estudando isso a cinquenta anos...  Entendo tão bem dos filhos de Bastet quanto sobre os filhos de Freik.
– Bastet? Freik? Quem são... Esses?
– Lucien meu cara, você deve saber o nome do seu criado, o primeiro de todos os luxuriosos, Bastet, o primeiro Vampiro.
Lucien silenciou-se, ele podia sentir ainda o calor emanado do corpo do outro que ele havia consumido há poucos dias, embriagou-se do sangue alheio e satisfez-se na carne do outro. A verdade é que um vampiro não precisa de sangue humano, mas ainda sim, o ama, é o vicio, a necessidade e toda a compulsão que os deixa tão vulnerável a vermelhidão e o cheiro forte e doce do sangue humano.
– O que sabe sobre vampiros Padre Guilherme.
– Bastante Lucien.
– Conta-me, pela Escuridão que me protege e a Luz que me fortalece, explica-me no que me tornei.
– Bem... Tudo que sabemos sobre os filhos de Bastet, os filhos de Freik, as filhas de Chiarinna e todos os outros quatro vieram das escrituras sagradas. Existem três os Diários de Freik, o primeiro Dragão, essas escrituras estão guardadas entre os Conventos, protegidos pelos Frades e as Monjas. A palavra de Chiarinna a sereia, guardadas pelas sacerdotisas e os sacerdotes do Oasis  e por fim as parábolas de Caron, o homem lobo, que são guardados nas igrejas pelos Ocultos.  Essas três forças são os pilares de nossa religião e cultura.  Todos nos respeitamos, somos todos iguais, mas somos guiados por diferentes palavras.
– As Palavras de Chiarinna, As Parábolas de Caron e os Diarios de Freik, certo?
– Certo,  todos dizem basicamente a mesma coisa, a história da criação do mundo, o encontro dos sete com A Luz e a Escuridão e como os diferentes se desenvolveram.  Religiosamente o que nos diferencia é a localização. Conventos são sempre em montanhas, os Oasis perto de oceanos e as Igrejas dentro de cidades, no entanto elas tem passagens subterrâneas, antigamente as igrejas guardavam os homens e mulheres bestas quando a lua estava grande no céu.
– E ...E hoje em dia Padre Guilherme?
– Os Ocultos, sejam homens ou mulheres, ainda protegem as bestas da Raiva quando necessário.
Lucien caminhava lentamente, seu cérebro movia-se com a velocidade de uma águia em pleno voo de caça, ele queria aprender o máximo que podia sobre sua raça e por que ao sabia nada sobre si mesmo.
– Por que Bastet não tem seu próprio pilar? Por que não existe a catedral dos filhos de Bastet ?
– Por que nunca foi escrito nada por ele... Bastet envergonha-se da evolução de sua espécie. As escrituras contam que quando os encantamentos dos irmãos se formavam Bastet não conseguia largar-se de seu vicio pela bebida, e foi ele quem trouxe a mais antiga e profunda magia, o espírito humano. 
– Como? Como isso é possível?
– Por que quando se entrega a um vicio, se revala a verdade sobre a natureza humana meu jovem, somos fracos na nossa fortaleza, o sangue humano é uma dos instrumentos mágicos mais poderoso de qualquer outro , se dado de bom grado, ele da o poder da Luz e da Escuridão a qualquer magia, pois foram os Deuses que nos criaram, se tomado a força, amaldiçoa qualquer coisa.  Bastet deu seu sangue para que ele e seus irmãos e irmãs pudessem viver para sempre. E por Isso foi abençoado com a castidade de entregar-se única e exclusivamente a um amor, e o vicio de nunca estar satisfeito.  Ele bebe o sangue por que o álcool não lhe satisfaça mais, ele dorme com ser huamno em busca de um calor  perdido... Bastet nunca escreveu nada, e hoje se esconde por entre os bordeis por que ele se entregou a si mesmo... Ele tem vergonha de si.
– Isso quer dizer que... Eu estou condenado a vergonha e a luxúria?
– Sim... E não. OS Vampiros mais jovens decidem entregar-se um ao outro. Encontram um verdadeiro amor e dele ou dela nunca se separam, podem buscar a satisfação no  outro e em sua maioria vivem uma vida bastante simples.  Sei que para você deve ser difícil entender mas... A única razão de que tenhas perdido a memória de quem eras quando humano é por que Bastet sabe que as lembranças de sua humanidade irão atormenta-lo, quando mordido e lhe é deixado apenas a ultima gota de sangue... Você esquece quem você era e nasce para a imortalidade.
– Isso não é exatamente bom...  – Lucien suspirou e olhou para baixo chutando um pequeno monte de terra.
– Não é, mas não se deixe abater. Pode seguir uma vida longa e completa se seguir uma única regra.
– Que regra?
– Sangue deve ser tomado de bom grado, a cama que você deitar deve lhe ser oferecida. Caso contrario, você vai amaldiçoar sua alma imortal e se perderá como o teu criador.
 Com a ajuda de Padre Guilherme, Lucien aprendeu tudo o que podia das escrituras sagradas dos Conventos, e vinte anos depois de sua chegada, quando as Sombras finalmente levaram Padre Guilherme, Lucien começou sua longa peregrinação por todos os outros conventos, sempre levava consigo a carta de recomendação de Padre Guilherme e lá estudava tudo que podia  sobre as escrituras.
A sede de conhecimento conseguia fazer com que a necessidade por sangue e corpo, por calor e libido fosse esquecida, mas logo percebeu que toda a leitura era uma busca, o homem que pareceria jovem mas carregava nas costas muito mais que cem anos, havia lido todas as bibliotecas de todos os Contos e não coseguiu encontrar o que buscava.
Foi apenas quando começou a procurar dentro das Igrejas que ele encontrou algo...
Uma mulher de corpo miúdo, a pele tão escura como os cabelos cor de ébano, contrastavam com os olhos amarelos e vivos. Era uma Oculto, cuidava da Biblioteca da Igreja do Sul da Itália, se chamava Alessandra.
Ela era um filha de Caron.
Ela sabia sobre a primeira lenda.

Lucien se apaixonou por ela no primeiro sorriso.

Saturday, March 29, 2014

28 de Março

 Interrompemos nossa programação normal para um post sério. Se isso não é o que você gosta, peço desculpa e espero que você tenha um bom dia.


Eu quero falar de uma coisa que vem me incomodando bastante nos últimos dias, uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea),  e o que penso sobre esses dados, principalmente minha indignação com esse pensamento troglodita e bruto que se instala na cabeças dos brasileiros.

 "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas", recebeu apoio de 65% dos entrevistados.  E não só isso,  Quase 3/5 dos entrevistados, 58%, concordaram, total ou parcialmente, que "se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros".

Mais do que ultrajada eu fiquei extremamente confusa. Como é possível que uma sociedade que empurra goela baixo das meninas e mulheres a necessidade de ser sexy, atraente, gostosa, O tempo todo e ainda sim, nós, mulheres brasileiras, temos que nos “comportar” por que se não mereceríamos ser violentadas?

Onde exatamente está a lógica disso tudo?

Não sei exatamente se alguém que respondeu essa pesquisa já foi comprar roupa em uma loja qualquer? Com tantas roupas sensuais e sugestivas, como é que uma sociedade que nos entope com essas tantas roupas transparentes, shorts mais curtos que muita calcinha por ai, pode impor um código de vestuário que seja diferente do que se encontra disponível para compra? 
Como mulher eu me sinto amedrontada da possibilidade de que algum dia eu me encontre na situação que uma vez eu já tenha sido vitima de uma violência sexual e chegasse a uma delegacia e o delegado, ou delegada, me perguntasse, antes de saber se eu estava bem ou qualquer outra coisa, qual era  a roupa que eu usava.

Eu poderia ter entrado por que fui violentada, mas iria presa por que eu ia dar na cara do filho da puta, ou da filha da puta.

Como é que uma pessoa “merece” ter uma gravidez indesejada ou ser infectada com uma DST,  em suas consequências mais simplórias de um abuso causado por uma roupa curta?
 Quem raios merece ter a sua vida virada de cabeça para baixo, ter sua psique traumatizada a ponto de encontrar alivio para esse vil sentimento apenas na própria morte?

  Quantas saias longas são necessárias para acalmar uma mulher que sofra de estresse pós-traumático depois de ser violentada, quantas camisas sem decote precisam ser usadas para que ela para de ter pesadelos, ou que posso andar na rua sem ter nenhum medo de ser atacada de novo, quantas calças ela vai precisa usar para pode reaver as memórias que foram bloqueadas, ou as habilidades que ela possuía que foram perdidas pelo trauma.  Qual é a mudança de comportamento necessária para que se proteja a mulher de desvios sexuais que vão desde a frigidez extrema, fazendo a desenvolver fortes fobias para com o sexo oposto e qualquer tipo de interação sexual, como ao contrario, desviando completamente o norte sexual de uma pessoa e desenvolvendo diferentes desvios como exibicionismo, voyeurismo, vaginismo.

Isso tudo sem mencionar a depressão, crises de ansiedade em tal grau que a pessoa perde a vontade de viver, o que a leva ao suicídio. E tudo que foi mencionando está dentro da área psíquica, a violência contra a vítima pode causar lesões físicas permanentes e deformidades na nos órgãos sexuais.

  Depois de tudo isso eu me pergunto se alguma saia curta, alguma camisa com decote maior, alguma roupa sensual faz uma mulher merecedora de todas aquelas infernais consequências que vão acompanhar a mulher a vida toda junto com a memória do que vai ser o pior dia da vida dela.
Durante todo esse desabafo meu, eu coloquei a mulher em perspectiva por que a afirmação da pesquisa estava relacionada com a mulher, mas isso não significa que o homem pode sofrer as mesmas consequências caso ele seja atacado também. 

Engana-se você se, por algum delírio, acha que apenas a mulher está sob a mira dessa forma de crime, o homem, seja ele homossexual ou não, também pode ser considerado vítima da de uma violência sexual, e não é por que é um homem que deve ser ignorado.
Se a mulher é objetificada nesse tipo retrogrado de pensamento, onde ela é punida e maneira inumana por usar as roupas e o comportamento demandado pela sociedade, o que eu devo pensar dos homens?

O homem que observa a mulher com uma saia curta, e se entrega aos impulsos mais animalescos , perdendo completamente o controle de si a ponto de ter que força-la a entrar em um ato de violência sexual para satisfazer a  vontade bestial por sexo, nada mais é que um animal.   

Um animal descontrolado, sem qualquer consciência, e sem qualquer ideia do que seja uma consequência na vida por que ele precisa fuder a menina com a porcaria da saia curta!



Em suma... Vivemos em uma sociedade de mulheres sex-toys e animais para homens.  

Friday, March 28, 2014

27 de Março




Sugestão do dia
Duas coisas que vocês precisam saber :

Um: Eu gosto bastante de histórias de zumbies. 

DOIS: Eu estou sem criatividade nenhuma para escrever algo legal hoje então juntei o util ao agradável e esse é o resultado. 


O Blog, Ultimos de Nós, é o tipo de blog que me interessa, nele você acompanha o desenvolver de uma história  genial e  que eu estou adorando. Não quero falar muito por que vai estragar a graça da coisa e dois eu to muito sem criatividade. Então da uma olhanda no blog, curte a página no Facebook... e pegue sua arma e tente se manter vivo! 


26 de Março


Minha melhor amiga

Eu cresci como uma nômade,nunca parei por mais de dois anos no mesmo lugar, o que me deu uma curiosa bagagem cultural, uma grande mistura de sotaques, e me fez acreditar que longas amizades, todos os romances tinha data de validade. por que ainda que a gente fique em contato, a distancia é uma coisa que dissolve qualquer vinculo, adicione nisso tempo e pronto.

Então, eu aproveitava meus amigos pelo tempo que eu os tinha. Mas isso foi até eu entrar no ensino médio. Por algum motivo estranho e desconhecido, eu fiquei na mesma cidade por quatro anos,  para uma pessoa normal, quatro anos no mesmo lugar é muito pouco, pra mim , foi uma vida inteira.

E foi no ensino médio que eu conheci a minha melhor amiga,  ela tinha o cabelo curto e usava óculos com pedrinhas brancas, eu lembro que ela me chamou muita atenção foi a agenda do pequeno príncipe dela, curioso é que , anos depois, ela me deu os adesivos dessa agenda.

Hoje é adversário dela, e a gente já se conhece vai fazer...  Oito anos, e nesses oito anos a gente nunca deixou de se falar, e mesmo quando a gente ficou algum tempo sem se ver e sem poder falar constantemente,  ainda sim quando a gente se falou  pareceu que o tempo nem se quer passou.  E honestamente... Eu queria poder fazer alguma coisa especial para o Aniversário dela e...  Nada.  
Então aqui está a minha... Forma de demonstração de carinho e amor no aniversário da minha melhor amiga.
Ela sabe quem ela é, e possivelmente ela vai ler isso e para fica a dica.


Eu te amo mais que eu amo Macarrons. 

25 de Marça


Baldes, água e o  sotão.


Sir Arthur Conan Doyle disse, com os lábios de Sherlock Holmes, que o cérebro é como o sótão de uma casa, e que o conhecimento são os móveis que se põem lá, e que sempre vai existir a necessidade de se analisar o que se deve ou não aprender, visto que o sótão é um espaço limitado.

Em boa parte concordo com o senhor Holmes.e o Senhor Doyle, adquirir conhecimento é  uma tarefa complicada  é necessário preparar o seu cérebro para receber uma nova quantidade de informação e pior ainda, tentar reter essa informação lá dentro.

No entanto, diferente de um sótão, para mim o cérebro é como um balde com um pequeno furo no fundo, onde nós tentamos manter a maior quantidade de líquido possível sem jamais concertar o furo.

Imagine que você leu um livro para faculdade, e isso significa despejar dois copos d'água no seu balde mental,  que por você já estar na faculdade deve estar no mínimo, Meio cheio.

Digressões filosóficas sobre a recepção negativa ou positiva de um fato concreto, a parte isso significa que você esta aumentando a quantidade de liquido, conhecimento, mas existe o furo lá no fundo, e quanto mais você enche mais coisa se perde.  Obviamente essas partes são em si diferentes, o furo é muito pequeno e a abertura é muito grande, mas isso não anula o fato de que quanto mais coisa você coloca lá dentro, mais coisa se perde.

É claro que algumas pessoas usam de ferramentas para prevenir que esse vazamento tarde, técnicas de memorização  que basicamente é como colocar o dedo no buraquinho, não impede o vazamento, mas leva mais tempo para que as coisas se vão.

Esquecer as coisas que você aprendeu na quarta série não me parece  o problema, o que é muito difícil é esquecer quem eram seus coleguinha, quem era sua professora?  Alguém já percebeu que as pessoas e os fatos de natureza não escolar, e eu uso escolar como sinônimo de assuntos textuais que se desenvolve em instituições de ensino como escola e faculdade, como pessoas, sentimentos, rostos são muito mais fáceis de serem esquecidos?

Eu não lembro da minha professora da quarta série mas sei que foi lá que eu aprendi a tabuada de dois ao nove.

Ê isso que de fato me preocupa é que por não termos controle do que sai de nossas cabeças,e por treinar  nosso cérebro a entender que a informação útil, escolar, é mais relevante que as memórias intimas e pessoais,  acaba-se sempre , e quase inevitavelmente, perdendo-se as memórias...

E se o que me faz eu mesmo são as minhas lembranças, saber e lembrar das minhas escolhas, saber e lembrar dos meus desejos, realizados ou não, eu me pergunto se  quando o dia vier que eu já não lembrar mais da minha infância, e sobre todas as leis de todos os códigos de cor, eu ainda serei eu?

O que me acalma é que como ainda faltam metade de meu curso para eu terminar, essa pergunta também irá escorrer do furo pelo furinho do meu cérebro e eu ficarei em paz.

Talvez esse pensamento tenha me acordado hoje por que é uma questão que de fato me assusta ou por que eu tenha entrado no estagio dois do espectro emocional que eu passo durante um semestre de direito, eu entrei na negação/depressão.


Monday, March 24, 2014

24 de Março

Não se atreva a chorar.

            Nina estava terminando o banho quente quando seu computador, ligado na mesa ao  lado da cama fez o familiar e reconhecível som, era uma chamada no skype, e uma chamada as duas da manhã só podia de uma pessoa, Ainda com a toalha nos cabelos e uma camiseta larga de mais caindo pelo ombro, ela sentou-se na cadeira com um enorme sorriso.

            Ela acena energeticamente para a tela quando vê o rosto de seu único amor na tela ondulante.
            – Oi meu bem!
            –Nina – responde o jovem de cabelos escuros e olhos cor de menta. Arqueando uma sobrancelha  – Belo Turbante
             Corando, Nina retirou a toalha e desembaraçou os maiores nós de seus cabelos cor de mel com os dedos enrugados do banho
            – Acabei de tomar banho, não é minha culpa.
            – Você tomou banho? – disse ele consternado – SOZINHA! – então fingiu desfalecer na cadeira. 
            Nina riu e virou os olhos olhando ou redor da mesa, procurando a caneca de café.
            – Espera um minuto, vou pegar um café pra mim.
            – Eu também quero.
             – Com um pitada de canela o seu?
            –  Você me conhece tão bem – ele riu.
 Nina levantou-se e foi para a cozinha, ela trouxe duas canecas, uma vazia, a dele e a dela com café e uma pitada de canela, era o preferido do Arthur e desde que ele começou a viajar, era a única maneira que ela conseguia beber café, por que ... ajudava ela a se sentir mais perto dele.
Ela sentou-se de novo e levantou a caneca dele, antes de coloca-la na mesa e bebericar de seu café.
– Sinto sua falta. – disse ele com um longo suspiro
– E eu a sua...
– Eu volto para casa logo... Eu preciso voltar.
– É bom mesmo, ou vou sequestrar todas suas camisas. – ela disse com uma leve gargalhada, mas estava usando uma camisa dele, ainda havia um pouco do cheio do perfume dele no tecido, mas depois de tanto tempo... Só o cheiro não ajudava mais.
– Pode ficar com quantas você quiser.  
– Até a azul com cinza ?
–  Não...
– Mas eu quero aquela Arthur! – choramingou Nina
– A gente divide? – Ele tentou com um sorriso largo, mas cheio de saudade impressa nos olhos dele.
Ele se movimentou na cadeira, e Nina pode ouvir passos por trás dele, ela estava muito feliz por ele ter finalmente conseguido algum sucesso com a banda, ela mesma ajudou a produzir alguns shows dentro do shopping da cidade mas agora, que eles estavam fazendo uma turnê nacional... Agora que ele ficava fora por semanas e mais semanas... Ela não achava tão legal assim.
– Me diz uma coisa ursinha... Você têm dormido direitinho?
– Claro.
Era mentira, ela não conseguia dormia nem um pouco, ela deitava na cama cansada e ficava pensando nele, no trabalho dela, nas coisas pra fazer, na casa para arrumar, o cachorro para cuidar...  E acima de tudo, sem ele para dormir do lado dela, qual graça tinha? Como ela possivelmente conseguiria dormir sem ele?
Mas ela não podia preocupa-lo, ele já tinha coisa de mais na cabeça, por que se preocupar com a namorada que estava quilômetros de distancia?
– Eu tenho a cama todinha para mim, não poderia estar melhor.
– AI – Arthur pos a mão sobre o coração – É isso que eu sou? Um espaço na cama? 
Ele riu, ela também.
– Já fez o show de hoje?  – perguntou ela
– Já, estamos indo para o Hotel daqui a pouco.
– Genial! Como foi?
– Incrível, O Marcelo Gravou uns vídeos pra você.
– Mal posso esperar!
– Já jantou?
– Humrum. Pizza.
– Sortuda.
– Prometo pedir pizza por uma semana quando você voltar
– E beijos? – perguntou ele esperançoso.
– E beijos. – você piscou maliciosamente para a tela.
– Tenho que ir... estamos indo embora já. Boa noite meu amor.
– Boa noite. Você me liga amanhã?
– Assim que eu acordar.
– Te amo Arthur...
– Te amo Nina...
A ligação foi finalizada e ela sentou na cama fechando o computador e agarrando-se a um travesseiro e apertando com força, deixando as lágrimas que haviam sido controladas escorrerem pelo rosto e pingarem no travesseiro. Toda noite era a mesma coisa, ela se fazia de forte, fingia estar bem... Mas era impossível estar bem quando ele estava longe...  Ela sabia que ele estava aproveitando os frutos de um trabalho árduo dele, mas honestamente, ele estava fora por tempo de mais...





23 de Março.

Meu problema com audiobooks. 

Existem três coisas importantes sobre mim quanto se trata de livros e leituras...

Um eu adoro ler, seja em folha, em livro, em pdf no meu iPad, eu gosto de ouvir e ler histórias, e ouvir alguém lendo para mim é especialmente prazeroso por que eu acho que ler um livro é muito pessoal e quando você faz isso para a outra pessoa, é algo... Fofo, para dizer o minimo, por esse motivo eu adoro Audiobooks.

Dois... Eu sou Pobre! Okay, não pobre, pobre, pobre de mare de-si mas pobre o suficiente para achar um absurdo um audibook online ser mais de 40 reais e os títulos em português são infimos.

Três... Eu sou péssima quando se trata de progamas de computadores... Se as coisas estão foras do nível  Macacao-caolho-usando-um-computador é difícil de mais para mim, tipo muito dificil!

Então aqui está a minha sina, amar audiobooks, mas ter muita dificuldade de encontrar-los. A verdade é que existe uma solução para mim,  no youtube existem vários audiobooks completos em inglês para que eu os escute  até meus ouvidos sangrarem, o problema é que eu gosto de ouvir os audiobooks andando e drigindo e tudo mais... Então eu devo seguir uma série de passos não exatamente legais para conseguir meus audiobooks...Então n~~ao existe forma de expressar minha felicidade quando encontrei um site que disponibilisava os audiobooks , FREE e eu sóprecisava baixar...
E ... Ai..........
O negocio veio compatado em um formato que eu NÂO SABIA DESCOMPACTAR.


Agora me incontro assim...

Frustada...  E sem poder Ouvir A mansão Hollow da Agatha Christie...



22 de Março.


Estou lendo um livro novo. 
 Se chama, Fairest of All, é a versão da história da Branca de Neve pelos olhos da bruxa, eu comprei quando estive fora do Brasil, e realmente o que me chamou a atenção foi a capa, esse livro tem duas. 
A primeira, é essa aqui 
 

Com metade do rosto da rainha no auge de sua beleza, e a segunda


Honestamente achei genial a ideia das capas, e a história me parece bem legal, mas não sei ainda. 

Saturday, March 22, 2014

21 de Março.

Barra de Ferramentas. 

Aqui está um post que eu queria fazer desde o dia que esse blog foi criada e fiquei empurrando com a barriga até hoje, não pe algo completamnete criativo, está mais na parte práctica do meu ser, que é pequena eu admito, não uma pessoa muito prática, o fato é, eu resolvi fazer uma pequena, porém importante lista para ensinar a melhor forma possivel de encontrar as coisas nesse blog.

Antes de começar a explicar o processo de organização é necessário mostrar o post mais Importante desse Blog:


Basicamente isso explica quem eu sou e como eu comecei a criação do blog, acho que qualquer um que queira acompanhar minha jornaa de um ano deve ler isso. 

Agora sim, meu processo de organisação. Tudo que é postado aqui têm um lugar certo. E aqui está o significado de cada uma das tags que eu uso e onde elas irão te levar. 
preparem-se... Isso vai mudar suas vidas!












  • M - Todos os posts do blog, essa tag é a forma que eu assino os posts
  • Conto -  Histórietas curtas, com inicio meio e fim, coisa para se ler de uma só vez.
  • Contos Partidos - Histórias mais longas com mais de uma parte.
  • UHSV - Uma História Sobre Você, Série de  pequenos contos onde o personagem principal é ... Você.
  • Ossete - Outra série,  que conta a história de sete seres sobrenaturais aprendendo a conviver em harmonia.
  • Considerações Pessoais. - Série de imagens e pequenos textos que são literalmente Algumas Considerações Pessoais sobre o mundo
  • Devaneios - Pontos de vista e pensamentos meus.
  • Dialogos Perdidos - Conjuntos de diálogos que vem a minha cabeça mas não são incorporáveis a nenhum dos meus projetos, então para não perde-los ... Aqui estão.
  • Poema - Autoexplicativo, mas é onde todas as minhas frazes rimandas acabam.
  • Rabisco - Qualquer desenho que eu faça, que são poucos por que eu desenho muio mal, ficam aqui
  • Rabisco digital - Eu tenho muito interesse por manipulação de imagem e gosto de faze-lo, me acalma, coloco no blog só os mais legais.
  • Lendo - Exatamente o parece, é uma tag pra dizer qual é o livro que eu estou lendo
  • Headphone Verde Limão - Músicas e playlists que eu faço, a verdade é que eu só fiz uma até agora, mas a idea é fazer mais, e tem esse nome por que meu headphone é verde limão.
  • Da Camera rosa - Fotos, feitas com a minha máquina rosa choque.
  • Pincel cor de laranja - Maquiagens, mais uma vez so fiz uma mas pretendo fazer outras... O meu pincél de pó é laranja da Quem Disse Berenice....
  • Depois da Chuva - Conto Finalizado
  • Motel California - Conto em Andamento conhecido como Um Lugar Maravilhoso
  • Achei por Ai - Coisas que não são minhas mas que eu acho válido mostrar.
  • Skypeserie - Possivel nova série que eu estou testando, baseado em conversas de skype. 


20 de Março

Algumas Considerações pessoais.


Wednesday, March 19, 2014

19 de Março

Uma Conversa no Skype. 

Pequenaprincessa: Eu nunca me apaixonei antes, como... Como é se apaixonar?
EstrelaDourada: Nunca se apaixonou?
Pequenaprincessa: Não...
EstrelaDourada: Hm... Bem... É difícil de explicar.
Pequenaprincessa: Imaginei... Não precisa então.
EstrelaDourada: Não... Espera... Amor é... Sabe quando você sai para comer, e alguém faz o pedido para você, e nem se quer deixa você ver o cardápio?  Aquele momento de espera, que você fica na expectativa por que o prato pode ser horrível, ou ser bom e você não quer se decepcionar, e aquela onda de pânico quando você vê o garçom chegando com um prato coberto... E você percebe que você estava empolgada por aquilo, que a ideia de atirar-se no desconhecido é algo incrível! Isso é amor.  Uma mistura de sentimentos quase opostos que funcionam dentro de você.
Pequenaprincessa: Isso não soa muito bem...
EstrelaDourada:  Parece estranho, mas é bom... Por que quando o prato é revelado, mesmo você não sabendo o que é, quando você prova... É a melhor coisa que você já experimentou.
Pequenaprincessa:  Você faz soar quase mágico.
EstrelaDourada:   E é, de uma forma ou de outra.
Pequenaprincessa: Você está apaixonada agora?
EstrelaDourada: Claro... Eu gosto de estar sempre apaixonada.
Pequenaprincessa:  E quem é o possuidor do seu afetou?
EstrelaDourada:  Você vai saber, mas não agora...
Pequenaprincessa:  Por que?
EstrelaDourada:   Não é a hora... Eu... Preciso ir, nos vemos amanhã?
Pequenaprincessa:   Obviamente.

EstrelaDourada: Até mais.

18 de Março

O Passado dela 


Despedaçados olhos castanhos
Borrados de maquiagem
Que ela usou dias atrás.
Lábios machucados
marcados por dentes nervosos
Que ela não pode conter.
Os momentos se refletem
Nas unhas descascadas
Pela espera...
E o tempo passou...
... Passou ...
... Passou ...
No turbilhão de sentimentos
Aquela memória
O reflexo da lembrança
Não voltou.
Ontem era jovem
Hoje uma ilusão
Uma sombra de um passado
Andando ao seu lado no chão.



Monday, March 17, 2014

17 de Março



O que há na minha bolsa. 
Existe um ditado que diz que se você quer saber  da alma de uma mulher, olhe a bolsa dela, e pensando nisso, e inspirada por uma TAG que eu vi em um vlog americano que eu adoro, resolvi mostrar o que eu carrego na minha bolsa. 
Levando em consideração que agora, que eu estou estudando, a minha 'bolsa' é a minha mochila da faculdade, até por que não saio muito daquele antro....Mas em fim... Segue a foto! Ou as fotos.


1 - A mochila propriamente dita, ela é preta com várias corujinhas lindas, acredite em mim! 
2 - Porta eletronicos, uma necessarie que eu carrego os meus eletronicos pra não perder nem pra arranhar as telas. 
3 - Guarda-chuva. Auto Explicativo. 
4 - MInha necessarie de maquiagem, tem as coisas necessárias para os retoques e/ou fazer um make completo em casos de necessidade. 
5 - Necessarie de absorvente. Sim é muita informação, eu nem ligo! 
6 - Minha micro famácia, remedio pra dor de cabeça. colicas,bombiha de asma, e colírio pro meu olho que, por eu ter tanta alergia, coça desgraçadamente.
7 - Carteira, onde eu colocaria dinheiro, se eu tivesse.
8 - Estojo, ou o pequeno tijolo com 6 quilos de canetas que eu sei que é muito mas não tiro da bolsa por que eu não tenho essa capacidade de auto-controle tão bem desenvolvida....E sou um POUCO viciada em canetas.
9 - Caderno de poesias/idéias/contos/sonhos...Ou seja, qualquer coisa que me vem a cabeça acaba lá primeiro, depois, se ficar bom, vem pro blog.
10 - Porta-Livro de tecido que eu ganhei da minha Tia, que serve pra evitar de aranhar as capas dos meus livros. Por que eu sou neurótica a esse ponto.
11-  Pasta onde eu levo as folhas brancas e guardo as matérias da faculdade, eu desisti de caderno e fichario tem um tempo.


Achei que poderia mostrar o 'inside' das bolsinhas mais interesantes em detalhes. 

Aqui êm meu celular(aquele Stitch ali,) meu iPod e o gravador digital pra gravar a aula.

A farmacinha

O livro que eu estou lendo Atualmente

Maquiagens... e uma leve obsessão com prendendor de cabelo
Aquela coisinha que parece um botom é um espelho.

Aqui está, o post de hoje,  agradeço a minha amiga queridissima, Anne, que me ajudou com as fotos.




16 de Março

Os Sete. 
Orgulho e Preguiça 

Jamais deixe as jovens donzelas caminharem sozinhas pelas areias molhadas pela água do mar.
Não abandone a jovem para seguir a voz doce e encantadora da sereia traiçoeira que chama homens e mulheres.
Pois o homem afoga-se e morre, e na jovem virgem criam escamas e ela é desgraçada com a imortalidade das sereias.

Há muitos anos, onde homens podiam ser homens ou objetos, quando os grandes castelos eram habitados por famílias grandes e numerosas, e as pessoas temiam e acreditavam nas histórias sobre sereias e elfos nasceram, em um berços feitos de madeira boa  e decorados com mantos bordados a ouro, dois irmãos que dividiam a data de aniversário.
Filhos de senhor da Ilha segunda, Primia e Gawen nasceram a beira mar. Ela de longos cabelos dourados, como os do pai, e olhos tão azuis que o próprio mar a invejava e Gawen de cabelos cor de fogo, da família de sua mãe  e com olhos tão azuis quanto as da irmã.
Ainda que houvesse muitas similaridades nas feições do rosto de Gawen e Primia, seria impossível confundir ambos. Ela, eloquente e de pensamento rápido era conhecida por falar mais do que devia e nunca parecer errada, ele calado e sempre atrás da irmã, era conhecido por passar horas estudando sobre lendas e mitos e também por ter um interesse curioso com a forja de armas.  As personalidades dos Gêmeos eram sempre uma dor de cabeça para o aristocrata senhor da Ilha.
Primia tinha dezenove anos, e estava prometida a um cavaleiro de terras distantes, não seria problema para ela casar-se, era seu dever e sabia muito bem que como uma jovem donzela, era esse seu dever. Uma tarde, quando a noite começava a pintar o céu de escuro, depois de que viu partir seu futuro esposa para as terras além-mar, foi a jovem passear pela praia, ela sempre ouviu as histórias de jovens que eram levadas pelas ondas e viravam sereias, mas Primia acreditava que aquilo era apenas uma bobagem.
Andava solitária pelas areias brancas quando escutou, a voz delicada que parecia chama-la, cantava ou sussurrava, fosse o que fosse, pedia para que Primia chegasse mais perto, que deixasse sua pela branca e delicada tocar as águas frias e salgadas do mar, ela era uma excelente nadadora, não era?  Por que não então?
Foi assim que aconteceu, ao tocar os pés na água, a jovem fora recebida por três linda mulheres, pouco mais velhas que ela, e as três a guiaram para as profundezas e o que se passou lá, Primia jamais se lembraria, mas naquele instante soube que não poderia jamais voltar para casa.
Gawen  buscava a irmã em todos os lados e a encontrou sentada em uma pedra, a beira d’água, chamou-a inúmeras vezes mas quando ela virou-se, o irmão percebeu o que havia acontecido. A jovem, agora sereia, chorava por saudades que ela ainda ia sentir, Mas Gawen disse que solucionaria aquilo. Buscou um dos vários cordões de ouro que a irmã possuía no castelo , encontrou um medalhão dourada que tinha um interior para guardar moedas escondidas, e era exatamente o que precisava.
Com o medalhão nas mãos, Gawen puxou uma das escamas da cauda vermelha de sua imã e a mergulhou na água do mar antes de coloca-la no pequeno espaço, fechar o medalhão e coloca-lo no pescoço da irmã.  Ele sabia que enquanto ela tivesse uma escama molhada,  ela poderia andar como uma humana.  E não demorou muito para que ela conseguisse aprender a dominar a mudança. 
O tempo passou e Gawen conseguiu manter o segredo de sua irmã, que passava todas as noites nas águas negras do oceano aprendendo os mistérios das sereias.  Mas o jovem estava determinado a não perder a irmã que tanto amava. Sabia que homens jamais conseguiriam tornar-se seres do mar, então buscou outra forma simples de também tornar-se um imortal, como a irmã.
Quase dois anos se passaram antes que Gawen pudesse encontrar a solução, e estava na aldeia de elfos que vivia no coração da floresta que cercava o castelo.  Para tornar-se um elfo, era preciso que o ser humano fizesse um elfo curvar-se ante sua força, sabedoria, ou o que fosse. Então ele passou dois anos desenvolvendo uma diferente lâmina que seria perfeita para uma espada usada não por um homem, e sim por uma criatura orgulhosa e sábia.
Foi Gawen quem iniciou a arte de forja dos Elfos e foi com uma espada que ele ganhou o respeito dos Elfos, e tornou-se um deles.
Os irmãos então partiram da ilha que nasceram para conhecer o mundo, a história diz que ambos os jovens, filhos gêmeos do senhor da Ilha, desapareceram no mar, mas a verdade é que fugiram para conhecer o mundo e as outras tribos das quais pertenciam, sempre juntos e sempre cuidando um do outro..
Eram solitários, e por séculos eles acreditavam que a vida eterna seria o peso que carregariam nas costas, e como todo ser que vive mais do que deveria... A ideia de não morrer jamais, começou a ser aterrorizante.  
Quando estavam perdendo as esperanças, tudo mudou... Os gêmeos conheceram a um ser de rosto jovem e olhos muito antigos, e este ser, chamado Lucien, possuía um conhecimento que deixou os irmãos  esperançosos novamente. Lucien sabia como tornar um Imortal... Mortal.


Os Filhos do Orgulho, que vivem nas florestas, são difíceis de curvar.
Mas se conseguir fazer
Um deles vai se tornar.